Neurologista - Dr. Willian Rezende

Zumbido no Ouvido – Saiba Mais!


O zumbido no ouvido é um sintoma que atinge inúmeras pessoas, podendo piorar com o passar dos anos. Quanto mais velha é a população (terceira-idade), mais comum é o sintoma. Ele afeta muitas pessoas independentemente da idade, podendo acontecer somente de maneira esporádica ou de maneira contínua.

Um estudo nos Estados Unidos concluiu que cerca de 50 a 60 milhões de pessoas sofrem com zumbido no ouvido. 10% desses voluntários, sentem um grande impacto no seu dia-a-dia por causa desse sintoma.

Zumbido com Perda de Audição e Zumbido sem Perda de Audição

Quando o paciente sofre um traumatismo acústico muito forte e intenso, há grande possibilidade dele experienciar zumbido no ouvido. Um exemplo clássico é quando a pessoa frequenta um show, que comumente possui sons mais altos do que o corpo humano está acostumado no seu dia-a-dia.

Entretanto, a diferença está em como esse zumbido se apresenta para a pessoa após o show, podendo durar algumas horas ou (mais raramente) alguns dias e depois sumir. Em casos mais raros, o incômodo pode ser permanente.

Zumbido no Ouvido – Os Diferentes Tipos

Apesar do Zumbido no Ouvido ser um sintoma comum, ele se retrata de maneira diferente em cada caso. Essas diferenças são quase que orientações para o diagnóstico. São pistas que facilitam o encontro da causa desse problema.

  • Zumbido contínuo: Esse é o tipo de zumbido mais comum.
  • Zumbidos Pulsados;
  • Zumbido Tipo Cachoeira;
  • Zumbido Campainha.

Zumbido no Ouvido – As Causas

As possíveis causas do zumbido no ouvido, são de fatores cotidianos comuns, por exemplo:

  • Cera Compactada no conduto auditivo (Acúmulo de cera): Se caso houver muita cera no ouvido do paciente, há a possibilidade desse conteúdo atrapalhar a percepção acústica, além de também apertar o tímpano e o aparelho acústico todo, causando o zumbido. O tratamento dessa causa é muito simples, ela inclui a aplicação de remédios que possam “derreter” a cera.
  • Sinusite;
  • Rinite;
  • Faringites;
  • Infecções das vias aéreas;
  • Inflamações das vias aéreas: Os pacientes que possuem esse tipo de inflamações geralmente sofrem alteração na pressão do ouvido interno tipicamente sofrem também com o zumbido no ouvido. Essa alteração de pressão é aquela que tradicionalmente temos quando descemos a serra por exemplo. Em pacientes que sofrem de inflamações, essa alteração na pressão acontece frequentemente sem a necessidade de estar em um lugar que tenha uma pressão diferente.
  • Perda Acústica: Essa causa atinge mais fortemente as pessoas da terceira-idade. É  habitual que as pessoas mais velhas percam parcialmente a audição, isso ocorre pois com o passar dos anos o paciente vai perdendo as células ciliadas responsáveis por alcançar as ondas acústicas e as transformarem em sinais elétricos enviados para o cérebro como sinal acústico. Esse processo é dirigente a permitir a compreensão dos sons.

No entanto, algumas pessoas possuem uma perda acústica acima do normal, possivelmente causada por muitos traumas acústicos ao longo da vida, nesses casos, há a ocorrência de algo chamado de “aumento de ganho do cérebro”, caracterizado pelo aumento do zumbido quando há aumento do som. (por exemplo: quando se está ouvindo uma música, mas não está sendo ouvida de maneira agradável, a pessoa aumenta o volume, mas junto do volume, o zumbido também aumenta).

Fonte: https://www.health.harvard.edu/diseases-and-conditions/tinnitus-ringing-in-the-ears-and-what-to-do-about-it

Compartilhe

Neurologia Geral

A Neurologia é a especialidade médica que se dedica a investigar, diagnosticar e tratar as enfermidades que podem afetar o sistema nervoso central e periférico (cérebro, cerebelo, tronco encefálico, medula espinhal e nervos). A categoria de Neurologia Geral aborda diferentes condições de saúde que se encaixam dentro de temas neurológicos. Podendo incluir problemas distintos, com gravidades e manifestações diversas.



Todos os utilizadores da plataforma se comprometem a divulgar apenas informações verdadeiras. Caso o comentário não trate de uma experiência pessoal, forneça referências(links) sobre qualquer informação médica à ser publicada.
O público pode realizar comentários, alterar ou apagar o mesmo. Os comentários são visíveis a todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *