Neurologista - Dr. Willian Rezende do Carmo


Consciência Social do Alzheimer – Saiba Mais

Categorias: Conteúdos, Memória / Alzheimer




Consciência Social do Alzheimer – Saiba Mais

Publicado: 03/11/20 | Atualizado: novembro 3, 2020

Consciência Social do Alzheimer. Do social ao financeiro e, principalmente, no âmbito da saúde, há muitos desafios que enfrentamos hoje à medida que envelhecemos. Um dos maiores desafios que médicos, pacientes e familiares enfrentam pode ser encontrado na Doença de Alzheimer, na demência e na perda de memória.

Neste artigo, saiba mais sobre a importância da consciência social do Alzheimer, o impacto da doença e como lidar com ela.

Qual a Importância da Consciência Social do Alzheimer?

Alzheimer é um tipo de demência que causa problemas de memória, no pensamento e no comportamento. Os sintomas geralmente se desenvolvem lentamente e pioram com o tempo. A Doença de Alzheimer é responsável por 60 – 80 por cento dos casos de demência. A pesquisa continua, mas não há cura para a doença. No entanto, existem tratamentos para os sintomas.

A forma como a demência é percebida e retratada pode afetar a maneira como as pessoas com demência são tratadas e como a demência é tratada na sociedade.

Pode ter impacto no atendimento, na inclusão social e no respeito aos direitos humanos. Também pode haver implicações éticas, em que certas formas de perceber a demência podem contribuir para promover ou tolerar ações e atitudes que são prejudiciais ou benéficas para pessoas que vivem com demência.

Autoconsciência da Pessoa com Alzheimer

Pessoas com demência variam no grau de consciência que mostram sobre sua situação, tanto no geral quanto ao diagnóstico e mais especificamente em torno de certos aspectos de consciência, como:

A extensão da consciência ou falta de consciência tem consequências para o bem-estar do paciente e de seus cuidadores, impactando nas taxas de admissão hospitalar, institucionalização, humor, ajuste ao diagnóstico, resultados da intervenção e sobrecarga do cuidador.

Uma estimativa precisa da consciência de uma pessoa pode, portanto, ser útil na tomada de decisões adequadas sobre a saúde e os cuidados, e pode facilitar o gerenciamento seguro por profissionais de saúde, por exemplo, em um ambiente de cuidados intensivos.

Consciência Social do Alzheimer – O que Fazer Após o Diagnóstico

Pode ser opressor receber um diagnóstico de Alzheimer em sua família. Se você ou um ente querido foi diagnosticado, é importante lembrar que você não está sozinho. O melhor passo para iniciar sua jornada é marcando uma consulta com seu médico neurologista de confiança, que pode lhe dar conselhos, orientações e recursos.

Aqui estão algumas dicas para ajudar você ou um ente querido a lidar com o diagnóstico de Alzheimer:

Aceite o Inevitável

Infelizmente, você não pode esperar que alguém com a Doença de Alzheimer “melhore”, e isso pode ser especialmente difícil se você estiver cuidando dele.

No entanto, a vida cotidiana pode melhorar com bons cuidados e com habilidades de enfrentamento. Ao se reconciliar com a perda progressiva de memória e com a necessidade crescente de ajuda dele, você poderá se concentrar em encontrar maneiras de lidar com a situação.

Identifique Fontes de Ajuda

Depois de aprender o que esperar da doença, procure fontes de ajuda, como serviços do governo; creche para adultos e assistência com cuidados domiciliares. Faça uma lista desses recursos e mantenha-a em um lugar acessível.

Faça o Planejamento Legal e Financeiro

Dessa forma, essas decisões serão tomadas e não adicionarão mais estresse posteriormente, quando a pessoa com Alzheimer precisar de mais atenção ou quando ocorrer uma situação de crise.

Se seus outros membros da família estiverem envolvidos, traga-os para essas discussões. Esteja preparado para lidar com desentendimentos, que podem aumentar o estresse em momentos cruciais da jornada de Alzheimer.

Quando Decidir pela Internação

Uma das decisões mais difíceis é saber quando é hora de encaminhar um paciente para uma casa de repouso. Estudos indicam que a maioria dos pacientes que poderiam se beneficiar de cuidados paliativos simplesmente não são encaminhados com antecedência suficiente.

Qualquer paciente com Doença de Alzheimer ou com demência avançada pode ser candidato para cuidados paliativos se o prognóstico for de seis meses ou menos, caso a doença siga seu curso natural.

Pacientes com Alzheimer e com demência também podem ser encaminhados para uma casa de repouso quando indicadores, como os seguintes, estão presentes:

  • A capacidade de falar é limitada a seis ou menos palavras inteligíveis por dia;
  • Perda de peso não intencional de mais de 10 por cento nos seis meses anteriores;
  • Declínio funcional com a incapacidade de andar, de se vestir e de tomar banho sem assistência;
  • Incontinência urinária e intestinal.

Além disso, é importante avaliar a segurança de cada paciente para minimizar o risco de queda.

Referência: Archives of Clinical Psychiatry

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  


Memória / Alzheimer

A Doença de Alzheimer é uma enfermidade incurável e progressiva. A maioria das vítimas são pessoas idosas. A doença apresenta sintomas como perda de funções executivas e cognitivas (como a memória), causada pela morte de células cerebrais. O objetivo do tratamento é aliviar os sintomas existentes, retardando a evolução da doença. Os tratamentos indicados são divididos em farmacológicos e os não-farmacológicos.

Compartilhar:


Agende sua Consulta!



Tags:, ,


Todos os utilizadores da plataforma se comprometem a divulgar apenas informações verdadeiras. Caso o comentário não trate de uma experiência pessoal, forneça referências(links) sobre qualquer informação médica à ser publicada.
O público pode realizar comentários, alterar ou apagar o mesmo. Os comentários são visíveis a todos.


Neurologista- Doenças Neurológicas e Sistema Nervoso - Neurologia Hoje
Pergunte ao Doutor!

Tire suas dúvidas atráves do nosso fórum!



Willian Rezende do Carmo, 2019 | Desenvolvido e Monitorado por IT9 - ABCtudo. Todos os direitos reservados. | Data da última modificação: 22/11/2020