Neurologista - Dr. Willian Rezende

Qual a Diferença entre Doença de Parkinson e Parkinsonismo?


Qual a Diferença entre Doença de Parkinson e Parkinsonismo?

Qual a Diferença entre Doença de Parkinson e Parkinsonismo? Muito é se falado atualmente sobre a Doença de Parkinson e consequentemente sobre o parkinsonismo. No entanto, inúmeras pessoas não sabem realmente distinguir o significado dos dois termos. Continue lendo este artigo para conhecer a distinção e saber mais sobre o assunto.

qual-a-diferenca-entre-doenca-de-parkinson-e-parkinsonismo

Parkinsonismo

De maneira geral, o parkinsonismo é um termo genérico utilizado para o grupo de sintomas que podem ser observados em alguém com doença de Parkinson, sendo eles tremores, rigidez e lentidão de movimento. No entanto, existem várias condições além da doença de Parkinson que podem causar esses sinais, o que significa que o parkinsonismo é apenas a determinação desse grupo de sintomas.

O termo parkinsonismo é utilizado principalmente nos estágios iniciais de diagnóstico de um paciente, pode ser difícil distinguir se ele possui ou não a doença de Parkinson propriamente dita, ou alguns dos distúrbios que abrangem os sintomas do parkinsonismo, mas que ainda não foram descobertas.

Este conjunto de sintomas representa cerca de 10% a 15% de todos os diagnósticos da doença de parkinson. Além disso, a síndrome parkinsonismo tende a se desenvolver de maneira ainda mais agressiva do que a doença de Parkinson, adicionando ainda sintomas como quedas precoces, demência e alucinações. Para alguns casos, o corpo do paciente não responde às terapias utilizadas como tratamento

Tipos de Parkinsonismo

Parkinsonismo Vascular – É geralmente causado por uma coagulação do cérebro que ocorre a partir de múltiplos pequenos AVCS. Pessoas com parkinsonismo vascular tendem a ter mais problemas na parte inferior do corpo, afetando mais o caminhar do que tremor.

O distúrbio se desenvolve muito lentamente em comparação com outros tipos de parkinsonismo. As pessoas com essa condição podem por uma fase de aparecimento dos sintomas de maneira abrupta, ou com sintomas que aparecem aos poucos e pausam por um certo período.

Demência com corpos de Lewy – Perde apenas para o Alzheimer como a mais causa comum de demência em idosos. Ela causa uma deterioração progressiva nas capacidades intelectuais e funcionais do paciente.

Além dos sinais e sintomas da doença de Parkinson, pessoas com esta patologia tendem a ter mudanças frequentes na habilidade de raciocínio, no nível de atenção e ter alucinações. Eles geralmente não têm tremor como sintoma, e quando têm é apenas um leve tremor.

Degeneração Corticobasal – É o parkinsonismo menos comum. Geralmente se desenvolve após os 60 anos de idade. Os sintomas incluem uma perda de função em um lado do corpo, movimentos bruscos e involuntários parcial dos membros e problemas na fala.

Pode ser difícil ou impossível usar o membro afetado, embora não haja fraqueza ou perda sensorial. O indivíduo pode sentir como se o membro não estivesse sob seu controle.

Parkinsonismo Induzido por Drogas – É difícil para distinguir da Doença de Parkinson, embora os tremores e a instabilidade postural possam ser menos grave. Usualmente é causado pelo efeito colateral dos medicamentos que afetam os níveis de dopamina no cérebro, como antipsicóticos, alguns bloqueadores dos canais de cálcio e estimulantes como anfetaminas e cocaína.

Se a pessoa afetada parar de tomar o(s) medicamento(s), os sintomas tendem a desaparecer com o tempo, mas podem levar até 18 meses para que isso aconteça.

Paralisia Supranuclear Progressiva – Os sintomas da PSP costumam iniciar no começo dos 60 anos de idade. Sintomas precoces comuns incluem perda de equilíbrio durante a caminhada, resultando em quedas inexplicáveis, esquecimento e alteração de personalidade.

Os problemas visuais associados à PSP geralmente ocorrem de 3 a 5 anos após os problemas com caminhada, além disso envolvem a incapacidade de manter contato visual de maneira adequada devido a fraqueza ou paralisia do músculos que movem os olhos.

Atrofia de Múltiplos Sistemas – É o termo utilizado para o grupo de distúrbios em que um ou mais sistemas no corpo param de funcionar. Nessa condição, o sistema nervoso autônomo é severamente afetado logo nos estágios iniciais da doença.
Os sintomas incluem problemas na bexiga resultando em urgência, hesitação ou incontinência e hipotensão ortostática. Neste último a pressão arterial cai de maneira drástica quando a pessoa fica de pé, causando desmaios ou quase desmaios. Quando a pessoa deita de cabeça para baixo, a pressão arterial do paciente pode subir bastante. Para os homens, o primeiro sinal pode ser a disfunção erétil. Outros sintomas que podem se desenvolver incluem fala prejudicada, dificuldades para respirar e incapacidade de suar.

Doença de Parkinson

Já a doença de Parkinson se caracteriza por um distúrbio neurodegenerativo do cérebro que progride lentamente na maioria das pessoas. Os sintomas podem levar anos para se desenvolver, e a maioria das pessoas vivem muito tempo com ela. Os sintomas causados pela doença de Parkinson incluem um perda contínua do controle motor (tremores em repouso, rigidez, movimento lento, instabilidade postural), assim como uma ampla gama de sintomas não motores (como depressão, perda do olfato, alterações gástricas problemas, alterações cognitivas entre outros). Qual a Diferença entre Doença de Parkinson e Parkinsonismo?

Tratamento de Doença de Parkinson e Parkinsonismo

Existe uma certa sobreposição nos tratamentos da doença de Parkinson e dos distúrbios que envolvem o parkinsonismo. A terapia dopaminérgica pode ser eficaz em alguns parkinsonismos.

No entanto, é essencial que haja um programa de exercícios diários regular a fim de manter tônus muscular, força e flexibilidade. De outros tratamentos comuns para Parkinson e parkinsonismos incluem a terapia física, ocupacional e a de fala; além desses, antidepressivos e toxina botulínica para tratar a distonia. Para todas as condições, visamos tratar os sintomas que mais afetam a qualidade de vida do paciente.

Compartilhe

Doença de Parkinson

A doença de Parkinson é uma condição neurológica crônica e progressiva, resultante da degeneração das células responsáveis pela produção de dopamina, um neurotransmissor que controla os movimentos, entre outras funções. Seus sintomas costumam afetar o movimento, e o diagnóstico é feito com base no histórico do paciente, avaliação dos sintomas e alguns exames. O tratamento deve ser individualizado, e comumente exige uma abordagem interdisciplinar.



Todos os utilizadores da plataforma se comprometem a divulgar apenas informações verdadeiras. Caso o comentário não trate de uma experiência pessoal, forneça referências(links) sobre qualquer informação médica à ser publicada.
O público pode realizar comentários, alterar ou apagar o mesmo. Os comentários são visíveis a todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *