Neurologista - Dr. Willian Rezende

Ingestão Excessiva de Carboidrato Aumenta o Risco de Morte


No final de agosto, um estudo chamado PURE (Prospective Urban Rural Epidemiology) foi publicado on-line no periódico médico “The Lancet”. Esta iniciativa teve o objetivo de avaliar o quanto a composição da nossa alimentação é responsável por problemas cardiovasculares com desfechos graves. Os resultados apontaram que a ingestão excessiva de carboidrato aumenta o risco de morte.

Nesse estudo prospectivo (que vai acompanhando os pacientes ao longo do tempo)  foi considerado um questionário nutricional preenchido pelos participantes, tendo como base a ingestão de macronutrientes, principalmente carboidratos e gorduras.

A relação entre ingestão de macronutrientes e o aparecimento de doenças cardiovasculares, com consequente mortalidade, ainda é controversa. Segundo os autores do estudo, a maioria dos dados disponíveis são de populações europeias e norte-americanas.

O Estudo PURE e seus Resultados

Os pesquisadores selecionaram mais de 130 mil indivíduos, com idade entre 35 e 70 anos, em 18 países (incluindo o Brasil), e aplicaram questionários a respeito dos hábitos alimentares dessas pessoas, que foram acompanhadas por aproximadamente 7 anos.

Foram envolvidos países de alta, média e baixa renda, para que os resultados demonstrassem um equilíbrio entre os tipos de alimentos utilizados.

As análises apontaram que um maior consumo de carboidrato aumenta o risco de morte por qualquer causa em 28%. Já o maior consumo de gordura, independentemente do tipo, estava associada a um risco 23% menor de morrer por qualquer causa.

Nesses resultados, carboidratos e gorduras não se demonstraram causas de problemas cardiovasculares isoladamente, mesmo que o alto consumo de gordura saturada tenha aumentado o LDL colesterol dos participantes.

Contudo, foi encontrado um menor risco de acidente vascular encefálico (AVC) nos indivíduos com maior consumo de gordura saturada.

Compreendendo Como Carboidrato Aumenta o Risco de Morte

As conclusões desse levantamento apontam que carboidrato aumenta o risco de morte e que uma maior proporção de carboidratos na dieta estaria relacionada ao aumento da incidência de doenças crônicas, especialmente as cardiovasculares. E também que as gorduras não são tão prejudiciais, como se pregava a tempos atrás.

Mas é importante termos cuidado ao interpretar essas conclusões. Pode parecer que a melhor opção para saúde seria apenas comer gordura à vontade e reduzir carboidrato. Mas, já é de conhecimento científico que o consumo de gorduras trans está associado à prejuízos para a saúde.

O primeiro aspecto que devemos considerar é o tipo de carboidrato. Em relação a fontes de carboidratos, temos açúcar, pães, massas e inúmeras guloseimas com alta carga glicêmica. Porém, frutas, vegetais e cereais integrais (na sua maioria com carga glicêmica mais baixa) também nos fornecem este macronutriente. Estudos prévios já associaram a alta carga glicêmica com um maior nível de inflamação e incidência de doenças crônicas. Além disso, frutas, verduras e legumes são ricos em diversos nutrientes e fitoquímicos que melhoram a saúde geral e são associados à menor incidência de doenças crônicas.

Da mesma forma, as fontes de gordura também são variadas. Até mesmo  preparados sem óleos ou azeite, alguns alimentos naturalmente já possuem gordura, como carne, peixe ou ovos. E temos aqueles que possuem a gordura que foi adicionada no processamento.

Assim, podemos ter dietas exatamente com a mesma quantidade de gorduras e carboidratos, mas com qualidades completamente diferentes entre si.

Aplicando Estes Resultados em Nossa Alimentação

Infelizmente, como toda análise prospectiva tem o objetivo de levantar associações, e não implicar a relação de causa e efeito, estes dados não expressam a qualidade dos carboidratos, percentual de gorduras saturadas e insaturadas e a forma de consumo das gorduras.

Por isso, o valor deste estudo está em mostrar que precisamos rever nossas diretrizes alimentares pois carboidrato aumenta o risco de morte. Assumir que carboidrato faz mal e partir para um esquema de grande restrição dele, com liberação total das gorduras não deve ser a lição a ser tirada desse estudo, mas devemos ter em mente que carboidrato aumenta o risco de morte.

As dietas low carb e cetogênicas são muito interessantes para uma parcela da população, principalmente em cenários clínicos definidos, mas talvez, não sejam modelos ideais para todas as pessoas.

O equilíbrio está acima de tudo; e devemos entender a composição dos alimentos antes de taxarmos algo de vilão e tentar excluir do cardápio. Além disso, definir o perfil da dieta de acordo com o estilo de vida  e a individualidade biológica seria um ponto central para concluirmos os modelos nutricionais da população.

Escrevemos este artigo juntamente com a Nutricionista Dra Joyce Rouvier, CRN3 21553.  Agradecemos à Dra Joyce pela colaboração, certos de novas oportunidades para continuarmos trabalhando em conjunto.

 

Ingestão Excessiva de Carboidrato Aumenta o Risco de Morte
5 99.98% 12103
Compartilhe:

Deixe um Comentário