Neurologista - Dr. Willian Rezende do Carmo


200 anos da Doença de Parkinson

Categorias: Doença de Parkinson, NOTÍCIAS




200 anos da Doença de Parkinson

Publicado: 14/04/17 | Atualizado: novembro 13, 2019

200 anos da Doença de Parkinson: No dia 11 de abril de 2017 , comemoramos 200 anos da doença de Parkinson. Mas em 2017, a Celebração foi Especial. Também se completam 200 anos da primeira Descrição da Doença de Parkinson, feita por James Parkinson, que a nomeou inicialmente de “paralisia agitante”.

200 anos da Doença de Parkinson

A Doença de Parkinson ou Mal de Parkinson só recebeu o nome do seu descobridor anos mais tarde, quando Dr. Jean Martin Chacot, renomado neurologista francês, continuou os estudos de James Parkinson e alcançou avanços no diagnóstico.

Apesar dos 200 anos da Doença de Parkinson ou Mal de Parkinson, ainda não descobrimos a Cura para a Doença, mas já alcançamos grandes avanços no tratamento. Para avaliar os avanços científicos em relação à melhora na vida dos parkinsonianos, a Academia Brasileira de Neurologia (ABN) lançou nesta semana a

“Campanha Nacional da Doença de Parkinson – 200 anos de história e conhecimento”.

E nós queremos compartilhar com você algumas destas conquistas.

Características e Histórico

A doença de Parkinson é causada pela degeneração das células cerebrais localizadas na substância negra, a região do cérebro responsável por produzir a dopamina, o neurotransmissor que, entre outras funções, atua no controle da motricidade. A falta de dopamina afeta os movimentos corporais, provocando a lentidão e o tremor.

No entanto, sintomas como dificuldade para realizar movimentos simultâneos, rigidez muscular, lentidão de movimentos, alterações da marcha e do equilíbrio, declínio cognitivo e alterações do sono, depressão e problemas gastrointestinais também podem ocorrer.

No começo do século XX, um cientista percebeu que a substância negra de pessoas com Parkinson estava atrófica e esmaecida. Ao analisar essas células ao microscópio, constatou que estavam em processo de degeneração.

Essa foi a primeira observação científica sobre o mecanismo da doença, e a função dessas células ainda era desconhecida. Em aproximadamente 40 anos, foi descoberto que elas fabricam a dopamina, possibilitando tratamentos cada vez melhores.

Avanços no Diagnóstico nos 200 anos da Doença de Parkinson

Mesmo com 200 anos da Doença de Parkinson ou Mal de Parkinson, o diagnóstico da doença de Parkinson é feito por exclusão, ou seja, através de exames clínicos e de imagens, e da história clínica do paciente, eliminamos a existência de qualquer outra doença cerebral.

Ainda não temos métodos específicos para identificar a degeneração da substância negra, mas já podemos contar com exames que nos aproximam dessa hipótese diagnóstica.

Doppler Transcraniano SP

Com a Ultrassonografia Transcraniana (Doppler Transcraniano SP), por exemplo, podemos constatar a hiperecogenicidade da substância negra e Doppler Transcraniano da substância negra, condição presente em 90% dos doentes de Parkinson, e que pode ser observada até mesmo na fase pré-clínica da doença, em indivíduos que apresentam apenas sintomas não motores.

Temos o teste com a cintilografia cerebral com TRODAT que auxilia a detectar o deficit dopaminérgico, tão característico das síndromes Parkinsonianas e mais recentemente também temos a ressonância nuclear magnética de 3 Teslas que permite visualizar o apagamento precoce da nigrossomos da substancia negra, que também está relacionada com a doença de Parkinson.

Além disso, estão sendo desenvolvidas tecnologias para identificar a doença de Parkinson através de exame de sangue.

Um estudo publicado na respeitada revista online Neurology descobriu que a presença da proteína Neurofilamento de Cadeia Leve na corrente sanguínea indica a morte das células cerebrais.

Se realizado nas fases iniciais da doença, este teste sanguíneo pode diferenciar a doença de Parkinson dos distúrbios parkinsonianos atípicos, um conjunto de patologias neurológicas com sintomas semelhantes.

Avanços no Tratamento nos 200 anos da Doença de Parkinson

A descoberta de que a falta de dopamina é a causa da doença de Parkinson possibilitou traçar uma estratégia multidisciplinar para o tratamento, combatendo os sintomas.

O tratamento farmacológico, realizado com a Levodopa ou L-Dopa, que se transforma em dopamina no cérebro, supre parcialmente a falta desse neurotransmissor. Outros medicamentos podem complementar o tratamento, para combater os sintomas e também para melhorar a qualidade de vida do paciente.

Outro aspecto importante do tratamento é a neuroproteção. Até pouco tempo, não era possível impedir a degeneração das células dopaminérgicas. Mas já sabemos que manter hábitos saudáveis e estimular constantemente o cérebro favorecem nossos mecanismos de neuroproteção através da neuroplasticidade. A atividade física é algo que todos nós podemos fazer como medida de prevenção.

Informações Complementares na Internet
  • Ultrassonografia transcraniana na doença de Parkinson (PDF)
  • ABN marca presença nos 200 anos da Doença de Parkinson
    • Palestras, debates e ações educativas em todo país fazem parte da campanha de conscientização sobre a doençaEm 1817, o médico inglês James Parkinson publicou um artigo no qual definia uma nova doença, que veio a levar o seu próprio nome. Com a proximidade de 11 de abril, Dia Mundial de Combate à Doença de Parkinson, a Academia Brasileira de Neurologia (ABN) lança a Campanha Nacional da Doença de Parkinson – 200 Anos de História e Conhecimento, com o objetivo de avaliar os avanços científicos nesses dois séculos de busca para melhorar a situação dos parkinsonianos.
    • Além de várias ações em diversas partes do País, a campanha contou com uma coletiva de imprensa on-line com o Dr. João Carlos Papaterra Limongi, doutor em Ciências pela Faculdade de Medicina da USP, médico neurologista do Grupo de Distúrbios do Movimento do Hospital das Clínicas da FMUSP e membro titular da ABN. Na ocasião, ele vai apresentar um panorama das pesquisas sobre a Doença de Parkinson e o que vem sendo feito em termos de diagnóstico e tratamento.Palestras, panfletagem e debates com pacientes, entre outras ações educativas, também serão realizadas em capitais e cidades do interior de estados como São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Amazonas, Pará, Rio Grande do Sul, Pernambuco, Espírito Santo, Mato Grosso e Santa Catarina até 30 de abril como parte da Campanha Nacional da Doença de Parkinson – 200 Anos de História e Conhecimento.

      Falta de medicamentos e dificuldade de acesso: problemas do SUS

      Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) atestam que cerca de 1% da população mundial acima de 65 anos é portador da Doença de Parkinson. A prevalência estimada é de 100 a 200 casos por 200 mil habitantes. No Brasil, são poucas estatísticas, mas estima-se que 200 mil pessoas sofram da doença.

      Novas drogas estão em estudo, algumas já no mercado, como a rasagilina, um inibidor da monoamina oxidase que potencializa a levodopa e pode interferir na evolução da doença. Existem outras não-dopaminérgicas que visam melhorar os sintomas sem os movimentos involuntários anormais, como a istradefilina.

       

“Outra abordagem é a terapia genética, uma vez que se sabe da existência de genes que influenciam a doença. Neste sentido, há tentativas de modificação genética visando mudar ou alterar os mecanismos celulares envolvidos na degeneração celular, em fase experimental e ainda sem aplicabilidade clínica. Existem, ainda, estudos com células-tronco em andamento, mas não se conhece exatamente como elas poderiam refazer certas conexões neurais”

Compartilhe


Doença de Parkinson

A doença de Parkinson é uma condição neurológica crônica e progressiva, resultante da degeneração das células responsáveis pela produção de dopamina, um neurotransmissor que controla os movimentos, entre outras funções. Seus sintomas costumam afetar o movimento, e o diagnóstico é feito com base no histórico do paciente, avaliação dos sintomas e alguns exames. O tratamento deve ser individualizado, e comumente exige uma abordagem interdisciplinar.

Compartilhar:


Agende sua Consulta!



Tags:, , , , , , , ,


Todos os utilizadores da plataforma se comprometem a divulgar apenas informações verdadeiras. Caso o comentário não trate de uma experiência pessoal, forneça referências(links) sobre qualquer informação médica à ser publicada.
O público pode realizar comentários, alterar ou apagar o mesmo. Os comentários são visíveis a todos.



Neurologista- Doenças Neurológicas e Sistema Nervoso - Neurologia Hoje
Pergunte ao Doutor!


Willian Rezende do Carmo, 2019 | Desenvolvido e Monitorado por IT9 - ABCtudo. Todos os direitos reservados. | Data da última modificação: 10/11/2019