Neurologista - Dr. Willian Rezende

Relação entre Ansiedade, Depressão e Demência


Estimativas atuais sugerem que os distúrbios neuropsiquiátricos são responsáveis ​​por 28% das doenças em geral. Embora a depressão e a ansiedade tenham se mostrado uma consequência da demência, o inverso (demência como consequência da depressão e ansiedade) ainda é algo incerto.

A possibilidade de que o sofrimento psicológico possa ser um fator de risco para a demência tem grandes implicações para a saúde pública. Tanto a ansiedade quanto a depressão são condições de saúde mental debilitantes, que reduzem a qualidade de vida de uma pessoa.

Conheça a Relação entre Ansiedade, Depressão e Demência

É crucial para a medicina que a afetabilidade no cérebro pela ansiedade e pela depressão seja conhecida, assim como seu significado para a função e o desenvolvimento em geral.

Os pacientes podem se perguntar se os efeitos são de curto prazo (no caso em que o tratamento é feito corretamente), ou se existe a possibilidade de efeitos vitalícios.

Com base em pesquisas anteriores, parece que os transtornos de depressão e ansiedade, quando não tratados, podem sim prejudicar seu cérebro. Embora existam muitos fatores contribuintes, os transtornos psiquiátricos são essencialmente negativos para a funcionalidade do cérebro.

Após diversos estudos, os pesquisadores descobriram que as condições psicológicas causam mudanças mensuráveis em todas as áreas-chave do cérebro. Mais especificamente, ao estudar a depressão cotidiana comum, anormalidades foram encontradas em áreas-chave do cérebro, incluindo o hipocampo.

O hipocampo é conhecido como o “centro de memória” do cérebro, de modo que preocupações com doenças cerebrais degenerativas são necessárias. Mas afinal, a ansiedade e a depressão podem causar demência?

Existe Realmente uma Relação entre Ansiedade, Depressão e Demência?

Neste momento, a principal causal associada à demência (mais especificamente a doença de Alzheimer) ainda não é totalmente compreendida. É mais provável que as causas sejam na verdade uma combinação de fatores, que se refletem no tipo de demência desenvolvida.

Com base em pesquisas anteriores, a resposta curta a essa pergunta é sim, ansiedade e depressão podem, de fato, aumentar o risco de demência.

Foi relatado que a ligação entre sofrimento psicológico e demência era independente de outras variáveis como fumo, abuso de álcool, doenças físicas e grau de escolaridade. Os pesquisadores acreditam que o sofrimento psicológico crônico possa levar a níveis continuamente altos do hormônio do estresse, conhecido como cortisol.

Embora o estresse seja uma reação natural, estamos vendo agora os efeitos devastadores associados ao estresse crônico. Ter efeitos tóxicos no cérebro (mais especificamente no hipocampo), ansiedade e depressão, pode contribuir para uma memória ruim no futuro. É claro que o estresse também interfere na saúde cardiovascular – o que pode ser um fator de risco importante para a demência.

Como Reduzir o Estresse Cônico?

À medida que nossas vidas se tornam cada vez mais agitadas, o estresse crônico certamente está ocupando um espaço perigoso. Existe uma clara ligação entre o estresse crônico e o desenvolvimento de distúrbios neuropsiquiátricos, incluindo a depressão e a doença de Alzheimer.

Para reduzir os níveis de estresse no dia-a-dia, você pode:

  • Aumentar a frequência de exercícios físicos;
  • Falar com alguém (de preferência um profissional na área da saúde psicológica);
  • Experimentar técnicas de relaxamento.

Fonte: https://jamanetwork.com/journals/jamainternalmedicine/fullarticle/1106008

Compartilhe

Emoções

Os transtornos emocionais caracterizam-se por disfunções comportamentais e cerebrais, que afetam a saúde psicológica e a qualidade de vida dos pacientes. Distúrbios como depressão, ansiedade, estresse, síndrome do pânico e fobia social estão inclusos nesta categoria. As causas, sintomas, e terapias variam de acordo com a condição. É essencial buscar ajuda especializada para diagnosticar e tratar adequadamente o problema.



Todos os utilizadores da plataforma se comprometem a divulgar apenas informações verdadeiras. Caso o comentário não trate de uma experiência pessoal, forneça referências(links) sobre qualquer informação médica à ser publicada.
O público pode realizar comentários, alterar ou apagar o mesmo. Os comentários são visíveis a todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *