Responsive image

Alergia Alimentar e Esclerose Múltipla

Neurologista - Dr. Willian Rezende do Carmo

Categorias: Conteúdos, Esclerose Múltipla

Publicado: 13 de dezembro de 2022 | Atualizado: 13 de dezembro de 2022

Alergia Alimentar e Esclerose Múltipla. Embora a causa da esclerose múltipla (EM) permaneça desconhecida, estudos publicados mostraram que fatores genéticos e ambientais parecem contribuir para o risco da doença e influenciar o curso da EM.

Vários estudos epidemiológicos investigaram a conexão entre alergia alimentar e o risco de EM, com um pior curso da doença.

Continue a leitura para saber mais sobre a relação entre Alergia Alimentar e Esclerose Múltipla.

Teste de Esclerose Múltipla
Este teste ajuda a verificar sintomas que são comumente associados a Esclerose Múltipla

Alergia Alimentar e Esclerose Múltipla

Os fatores de risco associados à EM incluem sexo feminino, tabagismo, baixos níveis de vitamina D, infecção pelo vírus Epstein-Barr e obesidade durante a adolescência.

Além disso, a pesquisa clínica identificou vários fatores ambientais e de estilo de vida que parecem desencadear e exacerbar a EM, alguns dos quais podem afetar o sistema imunológico.

Um estudo publicado no Journal of Neurology, Neurosurgery & Psychiatry procurou esclarecer a possível associação. Os pesquisadores avaliaram mais de 1.300 adultos com esclerose múltipla clínica e atividade da doença confirmada por ressonância magnética que apresentavam histórico autorrelatado de condições alérgicas.

A jornada de um paciente com Esclerose Múltipla
Este livro narra uma jornada comum de vários pacientes com Esclerose Múltipla. Deste o começo dos sintomas até o tratamento.

Os pacientes do estudo preencheram um questionário de exposição única a alergias a alimentos e medicamentos para avaliar a frequência da alergia e classificar os pacientes por tipo de alergia. Os pacientes foram categorizados como ambientais (pólen, grama, etc.), alergia alimentar ou alergia a medicamentos. Aqueles com nenhuma dessas alergias foram classificados no grupo sem alergia. Em seguida, foram avaliadas as taxas de recaída de EM nos grupos de alergia e comparadas com pacientes no grupo sem alergia.

Variáveis ​​clínicas e radiológicas e suas associações com os diferentes grupos de alergia foram avaliadas como parte da análise. A atividade da doença de EM foi identificada avaliando o número cumulativo de ataques ao longo do curso da doença e por novas lesões realçadas por contraste que foram detectadas por ressonância magnética.

No geral, os pacientes com EM que tinham alergias alimentares tiveram um aumento de 38% nas crises quando comparados com o grupo sem alergia, mesmo depois de controladas as covariáveis ​​apropriadas. Esse efeito observado permaneceu significativo mesmo após o ajuste para possíveis fatores de confusão, como sexo, idade de início dos sintomas e categoria da doença.

È possível ter qualidade de vida com Esclerose Múltipla
Na Clínica Regenerati você encontra uma equipe personalizada para ajudar você e sua família. Agende uma consulta hoje mesmo!

Além disso, os pacientes com alergias alimentares demonstraram uma probabilidade 2,5 vezes maior de ter uma lesão realçada por contraste em sua ressonância magnética cerebral. Nesse aspecto, os grupos de alergia ambiental e de alergia a medicamentos não apresentaram grandes diferenças quando comparados ao grupo sem alergias relatadas.

Examinando as Implicações

Os efeitos da alergia no curso da doença da EM podem ter importantes implicações biológicas e terapêuticas. A associação entre alergia alimentar e atividade da doença destaca um papel importante para o intestino, que demonstrou ter um impacto na imunidade e na inflamação. Essas descobertas apontam para um papel da alergia alimentar na causa de nova atividade de recaída em pacientes com EM. Além disso, as alergias alimentares podem desencadear ou exacerbar os mecanismos imunológicos relacionados ao intestino, o que, por sua vez, aumenta o risco de recaídas da EM.

Embora as descobertas, atualmente, tenham capacidade de ação clínica limitada, há otimismo sobre o potencial significado desta pesquisa. Essa pesquisa abre uma nova maneira de pensar sobre os mecanismos imunológicos na EM. No momento, estamos conduzindo estudos para confirmar os achados de nossa investigação e para entender melhor os mecanismos biológicos subjacentes da EM por meio da análise de biomarcadores sanguíneos de alergia.

Essas percepções podem levar a novas estratégias terapêuticas e preventivas para a EM.

Assista ao vídeo e saiba mais:

Mais Informações sobre este assunto na Internet:

Artigo Publicado em: 8 de fevereiro de 2019 e Atualizado em: 13 de dezembro de 2022

Compartilhe:


Esclerose Múltipla

A esclerose múltipla é a principal doença imunológica do Sistema Nervoso Central. Ela afeta o cérebro e a medula espinhal por meio de lesões inflamatórias que podem ser leves ou intensas, levando à ruptura da fibra neural, responsável pelo impulso nervoso. Isso implica que a esclerose múltipla é uma doença de caráter inflamatório e neurodegenerativo, uma vez que ela afeta e rompe os neurônios.

Compartilhar:


Agende sua Consulta!



Tags:, , , , ,


Todos os utilizadores da plataforma se comprometem a divulgar apenas informações verdadeiras. Caso o comentário não trate de uma experiência pessoal, forneça referências(links) sobre qualquer informação médica à ser publicada.
O público pode realizar comentários, alterar ou apagar o mesmo. Os comentários são visíveis a todos.


Neurologista- Doenças Neurológicas e Sistema Nervoso - Neurologia Hoje
Pergunte ao Doutor!

Tire suas dúvidas atráves do nosso fórum!



Willian Rezende do Carmo, 2024 | Desenvolvido e Monitorado por IT9 - ABCtudo. Todos os direitos reservados. | Data da última modificação: 19/05/2024