Neurologista - Dr. Willian Rezende

Atitudes que podem auxiliar o tratamento da esclerose múltipla


  1. Não sinta pena. “Se você tem um familiar ou um amigo com esclerose múltipla, faça-lhe um favor: aprenda mais sobre a doença. Assim, da próxima vez em que você ouvi-lo dizer que está cansado e que vai cancelar os planos de sair, você terá uma melhor compreensão dos motivos”, afirma o  neurologista, Willian Rezende do Carmo, CRM-SP 160.140;
  1. Ele pode não aparentar que há “algo errado”, mas o seu sistema imunológico grita isso internamente. As pessoas têm muitas dificuldades em compreender o que é uma doença autoimune.Mesmo sem sintomas evidentes, o paciente com esclerose múltipla tem o direito de ocupar uma vaga de estacionamento para deficientes físicos, bem como portar seringas e outros medicamentos sob refrigeração e obter prioridade em processos administrativos e judiciais. Essas conquistas não são privilégios. São direitos das pessoas com deficiência e precisam ser respeitados”, destaca o médico;
  1. Pratique a compaixão e a tolerância sempre que você ver alguém com uma deficiência. Ser um portador de esclerose múltipla, é enfrentar uma batalha diária para manobrar os desafios da vida. “As coisas que as pessoas sem deficiência fazem sem pensar, como andar, falar, vestir-se, exercitar-se, fazer xixi, cocô ou manter uma relação sexual são consideravelmente mais difíceis para as pessoas com a doença”, alerta o neurologista;
  1. Ajude-o a manter a sua autoestima intacta. Imagine-se no lugar de um portador de esclerose múltipla caindo na frente de uma multidão de pessoas que começam a sussurrar e a dizer que ele está bêbado… Imagine-se participando de um evento com alguns amigos e não sendo capaz de acompanhar o ritmo acelerado do seu grupo… “O paciente com esclerose múltipla não gosta de sobrecarregar os outros com seus problemas. No entanto, mesmo em silêncio, ele se sentiria confortado em saber que não só você entende porque o corpo dele não o obedece, mas que você também está disposto a abrandar o seu ritmo para ajudá-lo a se sentir melhor”, defende Willian Rezende;
  1. Seja paciente. “Todo paciente com esclerose múltipla tem medo da próxima crise, que pode causar estragos em seu corpo. Então, se você faz planos que envolvem um paciente com esclerose múltipla, não se irrite com as perguntas dele (qual a duração do evento, onde é o estacionamento mais próximo, o local é acessível). Saiba que há uma razão para tantos questionamentos. Não é que ele não tenha perdido a vontade de viver, de sair, de se divertir, mas ele precisa ser cauteloso e cuidar de si mesmo”, orienta o médico.

 

Avalie essa notícia
Compartilhe:

Deixe um Comentário