Neurologista - Dr. Willian Rezende

Síndrome do Pôr do Sol: O que é


Pacientes com Alzheimer ou outras formas de demência, podem experienciar mudanças em seu comportamento no início da noite. Esse fenômeno é conhecido como síndrome do pôr do sol.

Síndrome do Pôr do Sol: O que é?

A síndrome do pôr do sol é um conjunto de alterações que podem ser desencadeadas pelo entardecer ou falta de luminosidade. Quando o sol começa a se pôr os estímulos visuais do paciente diminuem e esse começa a ficar confuso. Algumas das alterações são:

  • Mudanças bruscas de humor;
  • Ansiedade;
  • Tristeza;
  • Inquietação;
  • Aumento de energia;
  • Aumento da confusão;
  • Alucinações ou delírios;
  • Agitação;
  • Desorientação;
  • Receios e temores;
  • Ouvir ou ver coisas que não estão lá;
  • Entre outros.

Um quinto das pessoas com Alzheimer apresenta a síndrome do pôr do sol. Porém, a síndrome também pode acontecer em idosos que não têm demência. Se mesmo uma pessoa cognitivamente ativa, consciente, lúcida às vezes se confunde com os estímulos no período noturno, isso se intensifica na pessoa com Alzheimer. Em alguns casos o comportamento logo diminui e em outros ele perdura, acabando por inverter o ciclo de sono do paciente levando-o a estar desperto a noite e sonolento durante o dia.

Síndrome do Pôr do Sol – Fatores Agravantes

Alguns fatores que podem agravar a confusão no final do dia incluem:

  • Fadiga;
  • Iluminação baixa;
  • Sombras aumentadas;
  • Ruptura do “relógio interno” do corpo;
  • Dificuldade em separar a realidade dos sonhos;
  • Presença de uma infecção, como infecção do trato urinário.

Síndrome do Pôr do Sol – Tratamento

A síndrome do pôr do sol é combatida pela exposição à luz. Colocar luzes na sala e no quarto e deixá-las acesas do final da tarde até a noite, permite que o paciente permaneça mais orientado, menos confuso, mais tranquilo e interativo. Essa técnica, chamada de fototerapia, tem um benefício similar ao dos medicamentos de controle do Alzheimer. Segundo Dr. Willian Rezende:

“A Síndrome do pôr do sol é combatida com muita luz (…). Assim, os pacientes ficam muito mais orientados, menos confusos e mais interativos”.

Outras dicas para controlar a síndrome do pôr do sol são:

  • Manter uma rotina previsível para dormir, acordar, refeições e atividades;
  • Planejar atividades e exposição à luz durante o dia para estimular a sonolência noturna;
  • Limitar cochilos durante o dia;
  • Limitar a cafeína e o açúcar de manhã;
  • Manter uma luz noturna acesa para reduzir a agitação que ocorre quando os ambientes estão escuros ou desconhecidos;
  • À noite, tentar reduzir o ruído de fundo e estimular atividades, incluindo assistir televisão, o que pode, às vezes, ser perturbador;
  • Em um ambiente estranho ou desconhecido oferecer itens familiares, como fotografias, para criar um ambiente mais relaxado e familiar;
  • Tocar música suave familiar à noite ou sons relaxantes da natureza, como o som das ondas;

Converse com um neurologista de sua confiança se suspeitar que uma condição subjacente, como uma infecção do trato urinário ou apneia do sono, pode estar piorando o comportamento da síndrome do pôr-do-sol, especialmente se o transtorno se desenvolver rapidamente.

Assista ao vídeo:

Referências:

1 – Sundown Syndrome in Persons with Dementia: An Update
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3246134/

Síndrome do Pôr do Sol: O que é
5 100% 25
Compartilhe:

Deixe um Comentário