Neurologista - Dr. Willian Rezende

Relação Entre Apneia do Sono e Refluxo


A apneia do sono já é extremamente conhecida, e sabe-se que também é extremamente prevalente. No estudo chamado de Episono foi detectado que a apneia do sono afeta 30% da população paulista, o distúrbio é dividido entre apneia leve, moderada e grave..

A diferença entre apneia do sono leve, moderada e grave

Existem diferentes gradações de pessoas que sofrem da apneia de sono, as que possuem apneia de sono leve dificilmente percebem, as pessoas que sofrem a grave também enfrentam grande repercussão, e são elas que se associam ao refluxo. As pessoas que têm apneia do sono, especialmente a moderada ou a grave, tem uma tendência maior a desenvolver refluxo gastroesofágico.

Os fatores que pioram o desenvolvimento do refluxo

 

  • Nível alto de sonolência durante o dia
  • IMC alto ou de ‘risco’
  • Estar acima do peso
  • Ser do sexo feminino

 

Quanto mais o paciente se encaixar nesses padrões citados a cima, maior será a correlação ou a comorbidade de refluxo gastroesofágico.

Ainda não há estudos para confirmar se as pessoas que nunca tiveram um refluxo gastroesofágico desenvolvem apneia do sono e simultaneamente desenvolvem o refluxo gastroesofágico. Mas percebe-se que quando as pessoas que têm apneia do sono e refluxo gastroesofágico tratam a apneia do sono, o sintomas do refluxo gastroesofágico melhoram. Caso ela tenha apneia do sono moderada ou grave grave, é mais proveitoso tratar o refluxo gastroesofágico simultaneamente ao tratamento da apneia do sono.

Porque os resultados são melhores quando o tratamento é simultâneo

A explicação para isso é simples, a apneia do sono é como se a pessoa estivesse prendendo a respiração, ela tenta respirar mas o ar não entra, o nariz e a garganta ficam obstruídos, a pessoa se esforça para recuperar o ar e expandir o tórax, descendo o diafragma que cria uma pressão negativa sobre o tórax.  Essa pressão também atinge o esófago, que age como um canudo ligado num ponto cheio de ácido (o estômago).

Essa pressão puxa o conteúdo gástrico pra cima do esófago, especialmente se o conteúdo abdominal for maior, ou seja, se o paciente estiver acima do peso, pois se for esse o caso, o conteúdo abdominal é grande, o que significa que a pressão intra-abdominal já existe pela quantidade de gordura dentro da barriga e essa gordura já aperta o estômago por si só.

A própria apneia do sono modifica a mobilidade (que normalmente é de empurrar para baixo) do tubo digestivo, e quando ela é alterada, o conteúdo pode sofrer paralisia facilitando o retorno do mesmo. Isso acontece por causa da  válvula que fica entre o estômago e o esôfago, ela se mantém fechada e impede o refluxo.

Mas a apneia torna essa válvula disfuncional, causando uma abertura que gera uma pressão negativa, que somada a pressão positiva do abdome resulta no movimento de ‘vai e vem’ desse conteúdo abdominal. O refluxo gastroesofágico retroalimenta a apneia do sono, pois a acidez que se encontra na faringe e na laringe aumenta o edema dessa região, facilitando a obstrução. Se todas as noites a apneia do sono gerar ácido que causa irritação na faringe e na laringe, o tecido ficará mais inflamado e demasiado ocasionando o fechamento do mesmo. Ou seja, uma doença retroalimenta a outra.

Como tratar ambas as doenças

Se o paciente deseja ficar livre de ambos, o melhor tratamento é feito a partir de bandas que tratam tanto refluxo quanto à apneia do sono, ambos os tratamentos podem ser consultados com um médico do sono.

Fonte: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2879818/

Se quiser ser informado acerca de várias notícias do tema de Apneia do Sono, clique aqui e receba via messenger no Facebook

Se quiser realizar um teste para te ajudar a saber se você pode ter um histórico de Apneia do Sono, clique aqui.

Avalie essa notícia
Compartilhe:

Deixe um Comentário