Neurologista - Dr. Willian Rezende

Fibromialgia – O Que É Fibromialgia


A fibromialgia é uma síndrome comum, definida por um conjunto de sintomas relacionados à ascensão de dor difusa em vários locais do corpo (pelo menos mais de sete pontos, durante longos períodos). Ela atinge desde a região muscular do pescoço até sua parte posterior e anterior (ombros, braços) e a parte anterior e posterior do tórax, abdômen, lombar, nádegas pernas e coxas, além de articulações, músculos, tendões e outros tecidos moles.

Dores da Fibromialgia e suas Relações

As dores difusas desencadeadas pela fibromialgia podem estar relacionadas a:

    • Algum trauma ou exercício praticado: as dores são associadas a uma fadiga crônica, à sensação de cansaço e à falta de energia. Entretanto, essas dores podem não estar relacionadas à atividade física;
    • O cansaço pode vir naturalmente e sem motivo;
    • Distúrbios no sono: a pessoa que não dorme bem e que não tem um sono restaurador pode vir a desenvolver as dores da fibromialgia;

 

  • Problemas cognitivos: dificuldades no processamento de informações, incluindo tarefas mentais, como atenção, raciocínio e memória;
  • Problemas de memória;
  • Problemas de concentração e raciocínio;
  • Náusea: tontura e enjoo;
  • Vômito;
  • Tontura: sensação de ‘Terra girando’, visão embaçada e perda de controle gradativa.

 

As Principais Causas da Dor por Fibromialgia

Ao contrário do que a maioria das pessoas assumem, a dor principal causada pela fibromialgia não é a dor neuropática, e sim a dor muscular profunda – aquela que pode ser sentida quando a pessoa pressiona o local. Essa dor tem tendência de piorar no frio e melhorar no calor, além de também piorar em momentos de tensão.

Além disso, a fibromialgia também pode agravar outras doenças, tais como:

 

  • Ansiedade e depressão: o paciente com fibromialgia têm uma capacidade de percepção dos estímulos internos e externos diferente das outras pessoas;
  • Maior inervação – processo em que se transmitem estímulos nervosos a alguma parcela do organismo – dos músculos e das juntas;
  • Maior sensibilidade da pele. Essa sensibilidade pode significar: maior facilidade de se machucar, maior sensibilidade ao frio e ao calor e um possível aumento da possibilidade de dor;
  • O cérebro funciona de maneira diferente. Isso acontece desde o nascimento da pessoa portadora, não foi desenvolvido ao longo dos anos e não está relacionado a traumas de infância ou problemas de criação. A ansiedade e a depressão podem piorar esse fator.

 

Os fatores citados acima podem piorar ainda mais, caso a pessoa portadora:

 

  • não pratique atividades físicas;
  • não durma bem;
  • seja ansiosa;
  • seja frequentemente submetida a situações de estresse.

 

A Importância do Tratamento da Fibromialgia

Mediante a uma uma abordagem terapêutica adequada, é possível diminuir consideravelmente os sintomas da fibromialgia; no entanto, isso não é sinônimo de cura, e sim de recuperação. Ou seja: a partir do momento que os tratamentos cessam, os seus benefícios também.

Quanto mais tempo o paciente passa sem tratamento, pior será a evolução do seu quadro. Ficar sem tratamento não significa somente manter a doença estagnada, como também:

  • Altas chances de ganho de peso;
  • Maiores chances de inflamação crônica (caracterizada por inflamação ativa, com destruição tecidual e tentativa de reparar os machucados/inflamação (cicatrização);
  • Outras doenças são propagadas mais facilmente, devido à fibromialgia.

 

Saiba mais assistindo ao vídeo:

 

Se quiser testar se tem fibromialgia basta clicar aqui!

E se quiser receber um E-book com exercícios simples para ajudar a prevenir dores clique aqui!

Avalie essa notícia
Compartilhe:

Deixe um Comentário