Neurologista - Dr. Willian Rezende

Dieta Cetogênica no Tratamento da Epilepsia


A dieta cetogênica tornou-se muito popular, principalmente por prometer um emagrecimento mais rápido que outras dietas, e ao mesmo tempo ser pouco restringente em relação ao consumo de gorduras e proteínas.

A real origem da dieta cetogênica foi o tratamento para epilepsia: o principal intuito dela não era a perda de peso, e sim o tratamento adjuvante da epilepsia.

Dieta Cetogênica – Tratamento para outras Doenças

Recentemente, a dieta tem sido avaliada para ser usada como forma de tratamento para outras doenças (não só neurológicas). O Mal de Alzheimer é uma das opções considerada como candidata para ser tratada com dieta cetogênica.

Mas o que é a dieta cetogênica?

A dieta cetogênica caracteriza-se como uma dieta com consumo extremamente baixo de carboidrato (ou até zero carboidrato). Ela é muito rica em lipídios (gordura “boa” – não é a gordura trans ou a hipersaturada de colesterol) e seu consumo diário deve ser, mais ou menos, 60 a 70% de gordura, 30% de proteína e 5% (ou menos) de carboidrato.

O intuito da dieta é ensinar o corpo a utilizar o lipídio como forma de energia, pois a gordura é uma excelente fonte de energia. Quando o corpo se utiliza da gordura, ele precisa quebrar a molécula para transformá-la em glicose por meio da neoglicogênese, e nesse processo o corpo também produz corpos cetônicos que são fontes de energia utilizados pelo cérebro.

Esse processo faz com que o corpo se acostume a se alimentar a partir dos lípidos, e assim, o corpo também irá se utilizar da gordura de reserva que está armazenada no corpo.

Dieta Cetogênica Popular – Atkins Modificada

As pessoas não costumam fazer a dieta cetogênica original: a Atkins é a mais utilizada, mas o consumo de carboidrato é maior, o que dificulta o alcance do processo de cetose. Para saber a quantidade de corpos cetônicos que há no corpo, existe um teste de farmácia parecido com o que mede diabetes, mas nesse caso o aparelho mede a cetonemia.

Dieta Cetogênica – A eficácia no tratamento de Epilepsia

Em casos de epilepsia que utilizam a dieta cetogênica como tratamento, 15 a 20% dos casos passam a controlar completamente os controles reflexivos das crises convulsivas. Os outros 60 a 70% dos casos tem uma redução parcial extremamente significativa.

A dieta não significa que o paciente irá parar de tomar remédios controlados, mas significa que o controle das crises e da utilização de medicamentos será maior.

A dieta trata a epilepsia através de neurotransmissores de inibição, que são ativados por mecanismos complexos ligados aos corpos cetônicos. Estes percorrem a barreira hematoencefálica por meio do sangue no cérebro, e assim fazem uma inibição natural da atividade neural excessiva, desinflando os neurônios e mantendo o cérebro em seu melhor estado.

Existem medicamentos que foram feitos para ajudar a dieta cetogênica no tratamento para epilepsia, eles são produzidos a base de gorduras. No entanto, é importante frisar que não é qualquer tipo de gordura que o paciente deve consumir: existem gorduras saudáveis como a do abacate, do azeite, da azeitona, etc.

A dieta cetogênica deve ser feita em um período de, mais ou menos, três a seis meses para os pacientes de epilepsia. Até que seja feita a análise da melhora do paciente, essa dieta tem que ser contínua e regrada.

Se quiser receber um E-book explicando 3 formas naturais de tratar Epilepsia SEM O USO DE MEDICAMENTOS, clique aqui e baixe pelo Messenger do Facebook!

Fonte: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2898565/

Dieta Cetogênica no Tratamento da Epilepsia
5 100% 1
Compartilhe:


Todos os utilizadores da plataforma se comprometem a divulgar apenas informações verdadeiras. Caso o comentário não trate de uma experiência pessoal, forneça referências(links) sobre qualquer informação médica à ser publicada.
O público pode realizar comentários, alterar ou apagar o mesmo. Os comentários são visíveis a todos.

Deixe um Comentário