Neurologista - Dr. Willian Rezende

Como Diferenciar Desmaio, Convulsão e Epilepsia


Convulsão por definição é quando a pessoa tem abalos musculares em que ela começa a  se debater ativamente, batendo contraturas musculares junto com a força do músculo. Tipicamente a pessoa permanece de olho aberto durante uma crise convulsiva, ela estica os braços e depois começa a se debater com movimentos repetitivos.

Numa crise convulsiva, a pessoa fica rígida e pode ocorrer concentração excessiva de saliva, ela pode ficar com o rosto com tonalidades roxas e após a crise convulsiva, provavelmente ocorrerá confusão além da pessoa poder se embaralhar na fala. Em algumas situações a pessoa urina em si mesma e por vezes até libera outros fluidos na roupa. Durante uma crise convulsiva, a pessoa pode se machucar caso ela esteja num local não preparado para isso, ou seja, se machucando na queda, pois numa crise convulsiva não há controle motor e a pessoa não entende o que está acontecendo com ela.

Quanto dura as crises convulsivas e as pseudocrises

Para pessoas leigas é difícil diferenciar uma crise convulsiva de uma pseudocrise, nem toda crise é uma crise convulsiva, às vezes a pessoa se encontra psicologicamente alterada, o grande diferencial é que uma crise convulsiva dura tipicamente um minuto ou dois no máximo, é muito raro uma crise convulsiva ultrapassar dois minutos, mas o padrão é durar segundos (60 à 90 segundos).

Já uma pseudo crise pode durar até cinco minutos, É por que não é uma crise verdadeira e faz movimentos repetitivos, a pessoa não se machuca, entretanto há alguns casos difíceis de diferenciar uma crise da outra. Quando isso acontece é necessário internar o paciente e monitorá-lo por meio do uso de um aparelho chamado eletroencefalograma, por até quatro dias, dessa forma, quando uma crise acontecer será possível diferenciar os tipos de crise.

Fatores que distinguem Desmaios, Convulsões e Epilepsia

A pseudo crise não é literalmente falsa, mas também não é uma crise epiléptica. A crise epiléptica é uma doença que provoca atividades anormais no cérebro, gerando uma atividade neurologicamente anormal e não é necessariamente uma crise convulsiva. Em uma convulsão, o paciente pode apresentar alteração do comportamento, ficando mais agressivo.

Outro exemplo é a epilepsia flexível, esta é a atividade elétrica que forma atividade neuronal com sintomas complexos e nem sempre convulsivos. A pessoa nem sempre se debate, ela pode se mexer freneticamente, contraindo o braço, ou também pode ver imagens alteradas, esses fatores, dependem de local onde a pessoa está e quais gatilhos ele aciona.   

A crise convulsiva ou convulsão é aquela que apresenta o “debater” muscular associado à atividade epiléptica. Epilepsia é toda doença neurológica que apresenta atividade elétrica anormal e que gere algum sintoma neurológico ou disfunção. A pessoa não desmaia necessariamente, e nem toda diferença comportamental significa um desmaio.

Desmaio é quando a pessoa perde a consciência, se isso ocorrer ela pode cair no chão e fica desacordada. Mas um desmaio pode ser causado por inúmeras causas e a principal delas é a síncope, que caracteriza-se quando há quedas transitórias do fluxo de sangue com o cérebro.

Como Desmaios, Convulsões e Epilepsia se diferenciam em sintomas

É extremamente comum encontrar pessoas que não sabem ao certo a diferença entre síncopes, crises convulsivas e crises epilépticas. Isso se dá pois os desmaios podem ocorrer subitamente, ocasionados por  fatores diversos, como: dor intensa, queda bruta de pressão, choques emocionais muito fortes, etc.

Fatores como estes podem ocasionar uma queda tão grande no fluxo de sangue do cérebro, que é dada uma “ordem” para que o corpo se deite (através do desmaio), podendo facilitar o bombeamento de sangue para o cérebro, visto que a cabeça e o coração estarão no mesmo nível. Assim que o fluxo de sangue no cérebro se normalizar, a pessoa vai ir recobrando os sentidos e vai despertar.  

O que acontece após o desmaio, convulsão ou epilepsia

É diferente de quando o desmaio é associado à palidez, a pele da pessoa fica gelada, ocorre transpiração, náuseas, enjoo, moleza no corpo. Neste caso, quando a pessoa recupera sua consciência após o desmaio, ela consegue entender sem dificuldades o que aconteceu, e consegue se lembrar de tudo sem confusão.

Já nas crises convulsivas, a pessoa acorda muito confusa, com a fala embolada, não compreende o que aconteceu, sente dores no corpo (pois os músculos fizeram muito esforço durante as contrações que ocorrem na convulsão). A pessoa que sofre desmaios não tem esse mesmo sintoma, além da recuperação ser muito mais rápida do que a recuperação das crises convulsivas.

O paciente que tem crises convulsivas pode chegar a ficar roxa ou vermelha, pois a respiração é afetada. Diferente da pessoa que desmaia, pois ela geralmente fica pálida e com uma sensação de moleza. Além disso, os gatilhos que fazem uma pessoa ter crises convulsivas ou desmaios são completamente diferentes. O desmaio é gradual, já nas crises a pessoa não percebe o que está acontecendo e nem mesmo tem controle de si mesma, e por isso requer tratamento totalmente diferenciados.

Fonte: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26115824

Avalie essa notícia
Compartilhe:

Deixe um Comentário