Neurologista - Dr. Willian Rezende

Toxina Botulínica

Toxina Botulínica pode Prevenir Tremores da Esclerose Múltipla
4.93 98.51% 67
A toxina botulínica é uma potente substância neurotóxica, um complexo protéico, produzido pela bactéria Clostridium botulinum. Seu consumo, através de alimentos contaminados, é responsável pelo óbito dos indivíduos devido à paralisia de toda musculatura estriada e parada respiratória. Entretanto, o mesmo efeito, bloqueador intramuscular, quando usado terapeuticamente, causa paralisia muscular seletiva em músculos hiperfuncionais e contribui para o tratamento de muitas condições clínicas. A bactéria anaeróbia esporulada Clostridium botulinum produz oito serotipos distintos de toxina botulínica. Destes, sete serotipos (neurotoxinas) foram purificados e classificados de A a G. A toxina botulínica tipo A  é reconhecida como a mais potente e, portanto, a mais utilizada atualmente na medicina. O uso terapêutico da toxina botulínica foi iniciado em diversos campos no século XX. Ela passou a ser utilizada em todas as situações em que a contração muscular se sobressaia, como nas distonias focais, no torcicolo espasmódico, na cãibra do escrivão, dentre outras condições. No final dos anos 80 e início dos 90, foi introduzida na Neurologia quando sua aplicação se mostrou efetiva e benéfica como forma de promover relaxamento muscular em músculos espásticos. A aplicação da toxina botulínica é antes de tudo, um ato médico, ou seja, requer o diagnóstico médico, que pode ser feito por um dermatologista, um cirurgião plástico, um oftalmologista , um uroginecologista ou um neurologista, antes da realização do procedimento. Não basta que o paciente querer fazer uma aplicação de toxina botulínica, ele precisa de orientação médica para saber se esta é realmente a melhor opção terapêutica para o seu caso. No campo da Neurologia, a aplicação da toxina botulínica tipo A tem indicações para tratar:
  1. Sequelas de lesões encefálicas, visando o relaxamento muscular;
  2. Esclerose múltipla, visando tratar a tratar a rigidez e a espasticidade;
  3. Mal de Parkinson, visando o auxílio da locomoção e a diminuição de tremores;
  4. Tiques nervosos, visando atenuar os espasmos musculares na região dos olhos ou da boca;
  5. Enxaqueca, visando tratar as enxaquecas crônicas, nas quais o paciente tem pelo menos 15 dias de dor no mês, dos quais pelo menos 8 são com características de migrania;
  6. Dor neuropática, como dor pós-herpética, neuralgia do trigêmeo, polineuropatia (como a diabética);
  7. Hiperidrose, visando tratar a sudorese profusa axilar, palmar e plantar;
  8. Sialorreia, que é o excesso de saliva. Muito comum em pacientes com paralisia cerebral e na doença de Parkinson;
  9. Espasticidade causada por Acidente Vascular Cerebral (AVC), Traumatismo Cranioencefálico (TCE) e Traumatismo Raquimedular (TRM), em adultos, e, Paralisia Cerebral (PC) em crianças.
As opções de toxina botulínica aprovadas pela Anvisa hoje são conhecidas pelos nomes comerciais de Botox, Dysport, Xeomin, Prosygne e Botulift. Esses produtos, disponíveis no mercado brasileiro, possuem diferentes indicações aprovadas, tanto no uso cosmético como terapêutico. Os efeitos colaterais resultantes da aplicação da toxina botulínica, em pacientes neurológicos, são mínimos e pouco frequentes. Dentre eles, os mais importantes são dor, devido à realização da infiltração, edema e equimose no local da aplicação. Um efeito colateral, muito raro, é o risco da produção de anticorpos antitoxina botulínica nos pacientes submetidos a reaplicações frequentes, o que promove uma diminuição na resposta terapêutica. A aplicação de toxina botulínica possui contraindicações absolutas. Ela não deve ser usada em patologias que promovem fraqueza muscular excessiva, como miastenia gravis e miopatias; deve ser usada com cautela em pacientes que façam uso de medicação anticolinérgica por, neste caso, exacerbar sua ação. Não é aconselhável utilizá-la com qualquer droga que possa interferir na transmissão neuromuscular, tais como antibióticos aminoglicosídeos. Por conter albumina humana não deve ser utilizada por pacientes sensíveis a albumina. Como qualquer outra droga é proibido seu uso durante a gestação ou amamentação.
Continuar Lendo

Toxina botulínica

Toxina Botulínica