Neurologista - Dr. Willian Rezende

Toxina botulínica no tratamento de tiques


Toxina botulínica no tratamento de tiques

Os tiques são caracterizados por movimentos sem propósito, involuntários e repentinos, em diversas regiões corporais. Também conhecidos por tiques nervosos, eles podem ser motores (como caretas, piscamentos, encolhimento do ombro, entre outros) ou vocais (quando ocorre emissão de sons como grunhidos, estalos ou mesmo repetição de palavras).

Existe ainda o tique sensitivo, definido como uma sensação somática em articulações, ossos ou músculos, como peso, leveza, vazio, frio ou calor, que obriga o paciente a executar um movimento voluntário para obter alívio.

Na maioria das vezes, os tiques são benignos e transitórios, desaparecendo espontaneamente em alguns meses. Mas existem formas mais graves e incapacitantes, quando os movimentos vão além do controle pelo paciente, que também apresenta ansiedade, depressão, déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) ou transtorno obsessivo compulsivo (TOC).

Síndrome de Tourette

A Síndrome de Tourette é diagnosticada quando tiques múltiplos persistem por mais de um ano, obedecendo aos seguintes critérios:

1 – tiques múltiplos manifestando-se durante algum tempo, mas não necessariamente ao mesmo tempo;

2 – devem ocorrer diversas vezes por dia, quase todos os dias ou pelo menos por três meses consecutivos;

3 – o quadro iniciou antes dos 18 anos de idade.

Como os tiques são mais comuns em crianças, muitas vezes são caracterizados como birra ou forma de chamar a atenção. No entanto, essas crianças precisam de tratamento, não de repreensão. Este é um distúrbio complexo, e o paciente pode necessitar de ajuda para controlá-lo.

Tratamento para os tiques

Ainda não existe cura para os tiques, mas a sua ocorrência pode ser controlada combinando diversos recursos terapêuticos. Em geral, é necessário um acompanhamento médico para tratamento das doenças associadas.

Medicamentos antipsicóticos ajudam na redução da intensidade dos tiques e a terapia cognitiva comportamental fornece ao paciente a capacidade para reversão de hábitos.

A toxina botulínica pode ser utilizada em tiques motores e vocais específicos, bem reconhecidos, que causam disfunção significativa e não respondam de forma satisfatória ao tratamento farmacológico mais usual.

Quando os tiques apresentam características distônicas, como fechamento dos olhos ou contrações cervicais sustentadas, a aplicação de toxina botulínica melhora significativamente a dor e o prejuízo visual, associados ao quadro.

Também já foi observada melhora de tiques vocais graves, incluindo coprolalia, com a aplicação nas cordas vocais. Diversos pacientes relatam que, após o tratamento com a toxina botulínica, perceberam diminuição da “necessidade” de realizar a vocalização relacionada ao tique.

Sua utilização ainda tem sido importante para a redução dos tiques sensitivos e dos sintomas premonitórios, experiências sensoriais focais breves que podem preceder, acompanhar ou seguir os movimentos ou vocalizações, na região do corpo afetada pelo tique.

Ao ser aplicada por meio de injeção intramuscular, a toxina botulínica apresenta uma rápida difusão, depositando-se nas terminações nervosas motoras dos músculos, onde inibe a liberação da acetilcolina, o neurotransmissor que estimula a contração muscular. Dessa forma, ocorre diminuição da contratura, sem ocasionar paralisia completa.

A ação da toxina botulínica tem seu início em 2 a 5 dias, podendo se estender em até duas semanas. Uma vez instalado, o efeito perdura por em média três a quatro meses. Após dois a três meses, gradualmente, começa a diminuir sua ação marginalmente.

Durante este período, as intervenções psicoeducacionais permitem ao paciente diminuir a ansiedade, gerar conforto psicológico e criar estratégias para gerenciar a situação de uma forma mais adaptativa.

Toxina botulínica no tratamento de tiques
5 100% 8
Compartilhe:

Deixe um Comentário