Neurologista - Dr. Willian Rezende

Rivastigmina pode melhorar os sintomas de Parkinson


Os cientistas descobriram que uma droga comumente prescrita para demência pode ser a chave para ajudar a prevenir quedas debilitantes nas pessoas com Parkinson.

A pesquisa, publicada na revista The Lancet Neurology, revela que pessoas com Parkinson que receberam o rivastigmina oral eram 45% menos propensas a cair e mostravam-se consideravelmente mais estáveis ao caminhar em comparação com os que usavam placebo.

Devido à degeneração das células nervosas, as pessoas com Parkinson, muitas vezes, têm problemas com instabilidade ao caminhar. Como parte da condição, elas também têm níveis mais baixos de acetilcolina, uma substância que nos ajuda a nos concentrarmos.

Já sabíamos que a rivastigmina funciona para tratar a demência ao impedir a degradação da acetilcolina. No entanto, o estudo mostra pela primeira vez que a droga também pode melhorar a regularidade da marcha, a velocidade e o equilíbrio.

“Este é um verdadeiro avanço na redução do risco de quedas para as pessoas com Parkinson. Coisas que podem ser simples para nós, como subir escadas ou levantar meio da noite para pegar um copo de água ou ir ao banheiro são muito mais difíceis e mais perigosas quando você pode facilmente cair. Você corre o risco de fraturar ossos, traumas cefálicos e de necessitar de internamento hospitalar de emergência. O estudo mostra que pode haver drogas já disponíveis, sendo utilizadas para outros fins, que podem ser testadas para ajudar a tratar o mal de Parkinson. Isso nos leva a um passo mais perto  da melhoria da qualidade de vida das pessoas com Parkinson”, explica o  neurologista, Willian Rezende do Carmo, CRM-SP 160.140.

Compartilhe

Doença de Parkinson

A doença de Parkinson é uma condição neurológica crônica e progressiva, resultante da degeneração das células responsáveis pela produção de dopamina, um neurotransmissor que controla os movimentos, entre outras funções. Seus sintomas costumam afetar o movimento, e o diagnóstico é feito com base no histórico do paciente, avaliação dos sintomas e alguns exames. O tratamento deve ser individualizado, e comumente exige uma abordagem interdisciplinar.



Todos os utilizadores da plataforma se comprometem a divulgar apenas informações verdadeiras. Caso o comentário não trate de uma experiência pessoal, forneça referências(links) sobre qualquer informação médica à ser publicada.
O público pode realizar comentários, alterar ou apagar o mesmo. Os comentários são visíveis a todos.

18 respostas para “Rivastigmina pode melhorar os sintomas de Parkinson”

  1. savingplaza disse:

    la importancia de los libros de texto, hoy en dia es indispensable ya que ayudan a los profesores a realizar y llevar de una manera adecuada los temas y contenidos que nos marcan la nueva reforma es preciso decir que la eleccion de los mismos se debe a la adaptacion, de las actividades propuestas, de acuerdo a los propositos y objetivos que la sociedad demanda,para lograr con ello un aprendizaje significativo y una enseñanza integral.
    savingplaza https://drapaulagirotto.com.br/meu-filho-convulsionou-e-agora/

  2. Olha Danilo Concolino Padilha

  3. Ivone Joter disse:

    Inês Augusto Fonseca será que esse serve para sua irmã? É bom pesquisar né

  4. Sim porem tem as filhas que estão tratando ela no Albert Aistem… não sei se elas aceitam outro tipo de remédios.

  5. Esse remédio serve também para melhorar o equilíbrio na paralisia supranuclear progressiva?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *