Neurologista - Dr. Willian Rezende

Esclerose múltipla: quando os pacientes param de tomar a medicação


Uma nova pesquisa, realizada pela Escola de Medicina da Universidade de Nova York, examinou o que acontece quando um paciente com esclerose múltipla, EM, que é clinicamente estável, para de tomar a medicação.

O estudo internacional revelou que 40% dos pacientes apresentaram o retorno das atividades da doença quando pararam de tomar seus medicamentos. Os resultados foram apresentados durante a reunião anual da Academia Americana de Neurologia, realizado em Washington, EUA.

“O recado é claro: apesar de longos períodos de estabilidade da doença, enquanto fazem uso da medicação, são poucos os pacientes que podem parar a medicação sem recaídas ou progressão de incapacidade. Os neurologistas precisam identificar quando é seguro para os pacientes com esclerose múltipla parar de tomar seus medicamentos, pois a progressão da doença é imprevisível”, afirma o neurologista, Willian Rezende do Carmo, CRM-SP 160.140.

Tratamento da esclerose

Os tratamentos medicamentosos disponíveis para EM buscam reduzir a atividade inflamatória e os surtos ao longo dos anos contribuindo para a redução do acúmulo de incapacidade durante a vida do paciente. Além do foco na doença, tratar os sintomas como os urinários e a fadiga é muito importante para qualidade de vida do paciente.

Os medicamentos utilizados na Esclerose Múltipla devem ser indicados pelo médico neurologista que vai analisar caso a caso.

Os medicamentos que visam reduzir a atividade inflamatória e a agressão à mielina, com diminuição dos surtos em intensidade e frequência, contribuindo assim na redução do ganho de incapacidade ao longo dos anos são os chamados imunomoduladores.

Já os medicamentos imunossupressores (que reduzem a atividade ou eficiência do sistema imunológico) também têm ocupado lugar de destaque no tratamento da EM. Entre eles, destacam-se a azatioprina, a ciclosfosfamida, o mitoxantrone, o methotrexate e a ciclosporina.

Para o tratamento dos surtos, utiliza-se a pulsoterapia (administração de altas doses de medicamentos por curtos períodos de tempo) com corticoides sintéticos. O corticoide mais comum é o metilprednisolona, administrado via endovenosa por três ou cinco dias. Geralmente, após a administração venosa, passa-se a utilizar o corticoide via oral (prednisona) por cinco dias ou mais.

Os interferons, juntamente com o acetato de glatirâmer, são utilizados no tratamento da EM para reduzir os surtos e estabilizar a doença. No Brasil estes medicamentos são distribuídos gratuitamente pelo governo através de farmácias de dispensação de alto custo ou em centros públicos de referência do tratamento da EM mediante relatório médico que confirme a existência da doença.

Sintomas muito comuns no início do uso destas medicações são: dores de cabeça, dores musculares, febre, fadiga e agravamento de sintomas anteriores. São sintomas transitórios e, na maioria dos casos, podem ser amenizados ao iniciar os medicamentos com doses menores, utilizando-se analgésicos ou deixando as aplicações como a última atividade do dia, sempre de acordo com a orientação de médico.

 

Esclerose múltipla: quando os pacientes param de tomar a medicação
5 100% 1
Compartilhe:

Deixe um Comentário