Neurologista - Dr. Willian Rezende

Depressão precede perda de memória no Alzheimer


Depressão e alterações de comportamento podem ocorrer antes do declínio da memória em pessoas que vão desenvolver a doença de Alzheimer, defende uma nova pesquisa, publicada na revista científica Neurology.

Os pesquisadores sabem que muitas pessoas com a doença de Alzheimer apresentam depressão, irritabilidade, apatia e perda de apetite, mas até agora não tinham reconhecido o quão cedo estes sintomas apareciam. Identificar as origens desses sintomas pode ser importante para compreender plenamente os efeitos da doença de Alzheimer no cérebro e encontrar formas de combatê-los.

Segundo os autores do estudo até agora “tem havido evidências conflitantes sobre a relação entre a doença de Alzheimer e a depressão. Ainda não sabemos se alguns desses sintomas, como irritabilidade e tristeza, são devidos aos problemas de memória e de pensamento ou se esses sintomas são causados diretamente pelos efeitos do Alzheimer no cérebro”.

Para tentar descobrir as respostas a essas perguntas, os pesquisadores analisaram dados de 2.416 pessoas com idades entre 50 anos ou mais.  Eles avaliaram regularmente os participantes, por sete anos, aplicando testes de função mental e avaliações de saúde psicológica. Todos os participantes eram cognitivamente normais, no início do estudo, mas com o passar do tempo, 1.218 deles desenvolveram demência.

“Aqueles que desenvolveram demência durante o estudo foram mais propensos a apresentar problemas de humor e alterações de comportamento, em primeiro lugar. Quatro anos após o início do estudo, 30% daqueles que viriam a desenvolver demência tinham desenvolvido depressão. Em comparação, após o mesmo período de tempo, apenas 15% das pessoas que não desenvolveram demência, durante o estudo, apresentaram depressão. Além disso, aqueles que desenvolveriam demência eram 12 vezes mais propensos a ter delírios do que aqueles que não desenvolveriam demência”, afirma o neurologista, Willian Rezende do Carmo, CRM-SP 160.140.

Para o médico, estudo como esse são fundamentais, “pois há muito os pesquisadores de Alzheimer têm trabalhado para o desenvolvimento de marcadores que possam ser usados para diagnosticar a doença antes do aparecimento da demência. A esperança é começar a tratar a doença antes que os pacientes desenvolvam a demência efetivamente”, diz.

Depressão precede perda de memória no Alzheimer
5 100% 2
Compartilhe:

Deixe um Comentário