Neurologista - Dr. Willian Rezende do Carmo


Aneurisma cerebral – Causas e Localização

Categorias: Conteúdos




Aneurisma cerebral – Causas e Localização

Publicado: 11/11/20 | Atualizado: novembro 11, 2020

Falar sobre aneurisma cerebral é muito importante, pois, apesar de ser um assunto pouco discutido, ele é muito prevalente na sociedade. Sabe-se que hoje, entre dois e cinco por cento da população mundial tem aneurisma e desconhece que tem.

Existem tipos específicos, como por exemplo o sacular, o fusiforme e o tipo blister. Sendo assim, é preciso saber como ele se apresenta, como é feito o diagnóstico e como é o seu tratamento.

Aneurisma cerebral

Três tipos de aneurisma

Conforme já citado, existem três tipos de aneurisma e são eles o sacular, o fusiforme e o tipo blister.

O aneurisma é assintomático, tem em média entre três e seis milímetros e normalmente é descoberto de forma acidental.

O diagnóstico é feito através de exames de imagem, como por exemplo a angiotomografia e a angioressonância, que são exames não invasivos. Ou seja, através de imagens do sistema nervoso é possível constatar a existência do aneurisma.

O aneurisma dá dor de cabeça?

O aneurisma cerebral é mais prevalente em mulheres, que naturalmente possuem mais dores de cabeça, enxaqueca e cefaleia tensional. Contudo, o aneurisma somente causa dor de cabeça no momento de sua ruptura, ou seja, somente a sua existência não causa dor ao paciente.

A doença é considerada um acidente vascular encefálico hemorrágico. A hemorragia que advém do aneurisma acomete quinhentas mil pessoas ao redor do mundo, todos os anos. Esse dado corresponde a pessoas que não sabiam que tinham o aneurisma.

Quando essa condição clínica é conhecida através de um exame de imagem, ele pode ser tratado de uma forma muito mais eficiente do que se ocorrer a ruptura.

Paciente

Fatores modificáveis e não modificáveis.

A incidência do aneurisma nos pacientes considera fatores modificáveis e fatores não modificáveis.

Os fatores não modificáveis são os fatores genéticos e familiares, ou seja, aqueles que tiverem caso de aneurisma em parentes de primeiro grau (pais e irmãos) devem investigar por meio de exames de imagem se também possuem a doença.

Quais são outros fatores que podem gerar o surgimento de um aneurisma?

O tabagismo, o etilismo crônico, algumas doenças do tecido conjuntivo e rins policísticos.

Após o diagnóstico é preciso iniciar um tratamento?

Não são todos os casos em que o paciente irá precisar realizar um tratamento. A necessidade do tratamento depende do tamanho do aneurisma, se ele for pequeno o caso será de acompanhamento médico e não de tratamento. Contudo, se o aneurisma tiver mais do que três milímetros é necessário tratamento.

É importante ressaltar que o tratamento é muito mais eficaz se feito logo após a descoberta do aneurisma, ou seja, antes de sua ruptura. Além disso, o paciente não terá sua qualidade de vida afetada após o tratamento.

Rompimento

Quais são os tipos de tratamento?

Existem dois tipos de tratamento: o cirúrgico e o endovascular.

O tratamento cirúrgico surgiu entre as décadas de sessenta e setenta e foi a primeira forma de tratamento para aneurisma cerebral.

O tratamento endovascular surgiu em 1991 e atualmente é usado em noventa por cento dos casos na Europa. No Brasil e nos Estados Unidos, o tratamento é usado em cinquenta por cento dos casos.

O tratamento será feito de acordo com o diagnóstico médico e o médico neurologista é o profissional capacitado para definir qual é a melhor opção para o paciente.

Quando tenho dor de cabeça, posso ter aneurisma?

Sim, se a dor de cabeça for algo que você nunca tenha sentido e que fuja completamente de uma dor normal, pode ser que a dor seja causada pela ruptura do aneurisma. Sendo assim, é necessário que o paciente procure imediatamente o hospital, para que seja feito um diagnóstico.

O aneurisma é uma fragilidade da parede da artéria e o seu rompimento causa um sangramento. O cérebro é envolto por uma membrana chamada meninge. O sangramento causado pelo rompimento irrita a meninge e inevitavelmente o paciente sente uma cefaleia muito potente.

No momento da ruptura, são necessários alguns cuidados com a saúde do paciente, pois o quadro pode se agravar. Cerca de vinte e cinco por cento dos pacientes que tem ruptura falecem logo após o acontecimento.

Para os pacientes que sobrevivem a ruptura do aneurisma existem algumas complicações, pois, muitos ficam em estado grave e são tratados em um momento não adequado. São complicações, por exemplo, dor de cabeça intensa, piora importante do quadro neurológico que pode evoluir para o coma, hidrocefalia, estreitamento das artérias cerebrais em função do sangue que está ao redor dessas artérias (o que pode causar isquemias cerebrais graves).

Desta forma, o diagnóstico precoce desta patologia é muito importante para que o paciente receba o tratamento adequado.

Autor: Felipe Vilar Silva

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  


Compartilhar:


Agende sua Consulta!



Tags:, ,


Todos os utilizadores da plataforma se comprometem a divulgar apenas informações verdadeiras. Caso o comentário não trate de uma experiência pessoal, forneça referências(links) sobre qualquer informação médica à ser publicada.
O público pode realizar comentários, alterar ou apagar o mesmo. Os comentários são visíveis a todos.


Neurologista- Doenças Neurológicas e Sistema Nervoso - Neurologia Hoje
Pergunte ao Doutor!

Tire suas dúvidas atráves do nosso fórum!



Willian Rezende do Carmo, 2019 | Desenvolvido e Monitorado por IT9 - ABCtudo. Todos os direitos reservados. | Data da última modificação: 22/11/2020